Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO JOAO DA BOA VISTA, CENTRO, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Arte e cultura, Cinema e vídeo
MSN - clovisvieir@hotmail.com



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Blog de Clovis


Meu pai na tela da TV

Meu pai chega primeiro no sofá e pega o controle: vai direto à ESPN e começa a ver o jogo do Corinthians dele. Eu tentei correr pra sentar antes em frente à TV, mas não consegui me livrar da namorada ao telefone. Tudo bem, mas no jogo do São Paulo ela tem que me ligar no celular se quiser falar comigo demorado.

Domingo aqui em casa é assim mesmo. Quem for mais esperto assiste o que quiser na TV nova. Geralmente, o esperto dominical é o meu pai. A gente até entende, ele já está velho, não precisa dormir muito, acorda junto com a minha mãe ali pelas 6h30 e vai direto pro sofá, enquanto ela faz o café.

 No intervalo do jogo, ele corre pro Discovery e não dá chance pra ninguém ver a MTV ou o Sony Spin, onde começou uma série nova de vampiro. Minha irmã fica maluca porque meu pai tem esse gosto estranho de ver futebol e documentários... Eu dou risada disso.

Ontem eu me sentei ao lado dele pra ver o Megaconstruções. Ao invés de olhar pra tela da televisão, fiquei olhando pro meu pai. O cabelo dele já está ficando branco. Ele não entrega o jogo do que rola na vida dele, mas há uma tristeza naqueles olhos azuis que não tem como disfarçar.

Conforme as imagens do documentário vão surgindo, meu pai meio que ajeita o corpo no sofá ou aperta um pouco os olhos como que perguntando como aquilo na TV é possível. Na vida real, ele aprendeu a arrebentar com os desafios, mantém a gente na escola, faz a minha mãe feliz, ri com os velhos amigos que também são a alegria dele.

Quando meu pai pega o controle para zapear no intervalo, vejo as suas mãos de trabalhador pesado. Ela é dura, dedos nodosos, restos de graxa, madeira, tinta, pó de metal... impossível de tirar com água e sabão. São suas marcas registradas de homem que não descansa enquanto a tarefa não está cumprida.

Sossego mesmo, só quando ele se espalha no sofá e liga a TV. Nessa hora eu vejo que ele ainda sabe rir gostoso, sabe fazer perguntas inteligentes sobre o que está vendo, sabe palpitar naquela cena que o locutor quer explicar direitinho para o espectador. Inteligente, criativo, gaiato de vez em quando. Meu pai é um cara bem legal, mas a gente passa boa parte do tempo sem valorizar isso.

Daqui a pouco vai começar o programa Salva Vidas, no Net Geo. É sobre um rapaz de 17 anos, que vai aprender a ser salva vidas com um veterano de 59. Nem bem o documentário começa e meu pai antecipa alguns lances do show. Eu deveria ficar muito bravo, porque ele fala durante o filme, interrompe a minha concentração e ainda quer dar uma de “bonzão”, como se ele fosse o personagem.

É nesse momento que eu volto a olhar os fios prateados do seu cabelo, a pele castigada de suas mãos e a tristeza do seu olhar azulado: ele é aquele personagem! Ele é aquele salva vidas me ensinando como me sair bem numa tempestade no meio do oceano, como tocar o barco durante uma borrasca, como chegar a uma ilha de bonança depois da ventania.

Meu pai é o cara!

 



Escrito por clovisblog às 11h53
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]