Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO JOAO DA BOA VISTA, CENTRO, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Arte e cultura, Cinema e vídeo
MSN - clovisvieir@hotmail.com



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Blog de Clovis


Uma Cidade


Abra os olhos, aguce o pensamento, afine os ouvidos: pode ser que esta cidade seja um palco. Pode ser uma pauta. Uma tela em branco. Uma coreografia. Pode ser que São João seja uma fala de personagem, uma cena muda. Um fraseado musical. Uma pincelada precisa ou um passo de dança.
 
Esta é uma cidade de atores representando textos teatrais, cotidianamente em seus afazeres. São músicos tocando invisíveis instrumentos e entoando cantos harmônicos em suas decisões. Esta é uma cidade de pintores colorindo o crepúsculo ou redesenhando o emaranhado das ruas. São João é feita de bailarinos cumprindo uma não-planejada coreografia que encanta os vizinhos.
 
Quando os bastidores se abrem, quando as cinco linhas paralelas dos desafios se oferecem à escrita, quando os pinceis da faina diária se encharcam de cores e as sapatilhas se aprumam na vertical... é porque a cidade já está perfeitamente pronta para as luzes da ribalta e os holofotes. Em cena, somos completos, vivemos todas as histórias, sabemos todos os finais, nos curvamos em reverência. Somos um filme.
 
É por isso que nos acostumamos tão rapidamente às semanas de Arte, às Viradas Culturais, ao Cineclube, à Banda na praça, aos livros lançados por escritores de todas as letras. A cidade não perdoa: ela se anuncia ninho de talentos e mostra esse parir constante e impune, para o deleite de todos.
 
Todo bairro é uma paleta multicor. Em cada casa mora um artista. Em cada esquina os meninos recitam notas musicais. Enumeram objetos diretos e indiretos, exibem nuances de guache e aquarela. Cada curva também é um palco, um microfone, uma página. Alguns nós são megafones estridentes.
 
Pode ser que esta cidade seja uma festa. Um evento, um happening, uma salva de palmas. Diariamente somos vistos, ouvidos, somos lidos com todos os acentos, cedilhas, hífens. Mas é preciso ligar o rádio, folhear as páginas, abrir as cortinas. Senão... a cidade não será vista desse modo. Será somente uma cidade.


Escrito por clovisblog às 17h54
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]